segunda-feira, 26 de março de 2018

MUDANÇA CLIMÁTICA PRODUZIRÁ 17 MILHÕES DE MIGRANTES INTERNOS NA AMÉRICA LATINA ATÉ 2050

Resultado de imagem para MUDANÇAS CLIMÁTICAS TRAGEDIAS
Moradores do Haiti durante a passagem do furacão Matthew, em 2016. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins


MUNDO

mudança climática, tantas vezes relegada a um segundo plano em favor de debates de curto prazo e escasso percurso, é o grande desafio econômico e social do século XXI. É uma ameaça à existência, como alerta a diretora-geral do Banco Mundial, Kristalina Georgieva: a subida dos oceanos desencadeada pelo degelo dos polos, a destruição causada por tempestades e secas vão forçar comunidades inteiras a se deslocar para regiões onde a sobrevivência seja mais viável. A situação será particularmente grave na América Latina, onde até 17 milhões de pessoas terão de migrar dentro de seu próprio país, sobretudo no México e na América Central, onde até quatro milhões de cidadãos se verão nessa situação. No mundo todo a cifra chegará, segundo os cálculos da organização internacional, a 143 milhões de deslocados internos.
Nos últimos anos, a atenção sobre os vínculos entre aquecimento global e migração se concentrava nos deslocados transfronteiriços: pessoas que se deslocam de um país para outro fugindo de fenômenos naturais extremos. Agora, o Banco Mundial põe o foco sobre uma realidade muito menos estudada: os deslocamentos no interior de um mesmo país. E os números para o chamado mundo subdesenvolvido e emergente são demolidores. Nas regiões da África subsaariana, Sul da Ásia e América Latina – que juntas somam mais de metade da população mundial em vias de desenvolvimento – quase 3% das famílias correm risco de ter de migrar dentro de seu próprio país até 2050 para escapar dos efeitos da mudança climática.
Resultado de imagem para MUDANÇAS CLIMÁTICAS TRAGEDIAS CALOTAS POLARES
Degelo no Pólo Norte (Google)
O impacto, não obstante, não será uniforme em todas as regiões e países. A migração interna, ressaltam os técnicos do Banco Mundial, afetará comunidades residentes em áreas com escassa disponibilidade de água e baixa produtividade agrícola ou sujeitas à subida do nível do mar ou ao aumento das tempestades e furacões. “As áreas mais pobres serão as mais atingidas”, concluem os autores do relatório.
México e América Central estão entre as regiões mais impactadas. Os 177 milhões de habitantes de hoje serão mais de 200 milhões em 2050 e, apesar de três quartos da população viverem em áreas urbanas, suas economias ainda são muito dependentes da agricultura, um dos setores mais atingidos pelos efeitos da mudança climática. No cenário mais adverso, os migrantes internos poderiam chegar a 1% da população, número que chegaria a 2% no caso específico do México.
Os “migrantes do clima”, como diz o Banco Mundial, passarão a representar quase um de cada sete movimentos no país latino-americano em 2050, de acordo com as projeções. É o dobro do número previsto para 2020. Como no restante da América Latina e do mundo, a espiral se explica por uma piora do acesso à água e a queda na produtividade dos cultivos. “Abandonarão as áreas mais quentes e costeiras, como o golfo do México ou a costa do Pacífico na Guatemala”, prevê o organismo com sede em Washington, que indica dois pontos de recepção de migrantes: a meseta central mexicana e o planalto guatemalteca. Mas não só. “A meseta central pode oferecer condições mais favoráveis que o árido norte e os estados costeiros do sul de baixa altitude, que se verão afetados por aumento do nível do mar. Esse padrão se alia as níveis avançados de urbanização do México, uma relevância decrescente dos meios de subsistência agrícola e o contínuo despovoamento das áreas rurais”, aponta o relatório publicado nesta segunda-feira. Segundo seus cálculos, grandes cidades mexicanas como Guadalajara e Monterrey – a segunda e a terceira cidades mais populosas do México, respectivamente, depois da capital – também serão ponto de origem de migrantes climáticos.
A parte positiva para o México no drama dos deslocados internos pela mudança climática, se é que há, é sua maior capacidade econômica – é um dos países de maior renda per capita da América Latina – para adaptar-se. Os especialistas insistem, no entanto, que é um processo que deve ser administrado desde já e pedem que sejam adotados planos que permitam preparar ao mesmo tempo as áreas vulneráveis e as áreas que vão receber migrantes. Também aconselham que se facilite a migração com medidas de formação e proteção social. Algo a que, por enquanto, a segunda maior economia latino-americana quase não tem dado atenção.
Na atual tendência de altas emissões, ressalta o Banco Mundial, o aumento da migração climática no México e na América Central pode ser “dramático” no final do século. “Mas isso não deve chegar a ser uma crise”, disse John Roome, diretor de mudança climática do Banco Mundial. A forma de evitar o pior dos cenários passa, obrigatoriamente, por algo já sabido e não tão aplicado em escala global: uma ação global potente para reduzir as emissões de gases do efeito estufa. O tempo está se esgotando, mas se o movimento for rápido e a ação seguir o caminho adequado, o número de migrantes internos poderia ser reduzido em até 100 milhões de pessoas sobre as atuais previsões globais.
Os técnicos da instituição especializada insistem que preparar-se para esse desafio de longo prazo também é uma forma de enfrentar um problema crescente e que é decisivo para o desenvolvimento. “Se soubermos qual é o impacto [da mudança climática]”, enfatiza Roome, “poderão ser adotadas medidas mais inclusivas, não só em escala nacional, mas também em escala local. É algo que deve ser levado muito a sério para sustentar os avanços obtidos”, conclui.

NETFLIX INAUGURA "LOJA DA CORRUPÇÃO" NO AEROPORTO DE BRASÍLIA E CAUSA POLÊMICA

Netflix inaugura "loja da corrupção" no aeroporto de Brasília

Loja fictícia é parte de uma ação para divulgar a série 'O mecanismo', que é inspirada na Operação Lava-Jato

Lançada na última sexta-feira (23/3), a série O mecanismo tem provocado polêmica. Inspirada na Operação Lava-Jato e dirigida pelo brasileiro José Padilha, a nova aposta da Netflix foi alvo de críticas da ex-presidente Dilma Rousseff. Nesta segunda-feira (26/3), a obra ganhou mais um capítulo fora das telas. É que, para divulgar a produção, a Netflix construiu uma "loja da corrupção" no aeroporto de Brasília.

Entre os itens que podem ser encontrados na loja fictícia estão uma cueca doleira, o livro "Delação premiada para leigos" e capinhas decorativas para tornozeleiras eletrônicas. De acordo com a Inframérica — consórcio que administra o aeroporto — o stand publicitário foi instalado na área do desembarque doméstico do terminal.

Esta não é a primeira ação da Netflix para divulgar a série. No começo do mês, quem passou pela ponte Honestino Guimarães (SCES Tr. 2), nos últimos dias, se deparou com um enorme outdoor batizado de "corruptômetro".

Críticas

Em nota, a ex-presidente Dilma Rousseff — que na série pode ser comparada à personagem Janete — chamou a produção de "mentirosa e dissimulada" e acusa o diretor José Padilha de criar "fake news". As declarações animaram os ânimos nas redes sociais. Tanto que a tag #OMecanismoCausando passou a tarde desta segunda-feira na lista dos assuntos mais comentados do país no Twitter.

LULA PODE SER PRESO? COMO FICA A CANDIDATURA? TIRE DÚVIDAS


O ex-presidente Lula concede entrevista à AFP, no Instituto Lula, em São Paulo (SP) - 01/03/2018
TRF-4 nega novo recurso de Lula: veja os próximos passos
Defesa terá 12 dias para entrar com última possibilidade de recurso na segunda instância. Depois, advogados poderão recorrer ao STJ e ao STF.


Um novo recurso apresentado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a condenação no caso do triplex em Guarujá (SP) foi negado nesta segunda-feira (26) pelo Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4).
A defesa de Lula apresentou os chamados embargos de declaração apontando o que considerou como "omissões", "contradições" e "obscuridades" na sentença. Os desembargadores da 8ª Turma, porém, mantiveram a condenação e a pena de 12 anos e 1 mês de prisão.
No caso do triplex, Lula é acusado de receber o imóvel no litoral de SP como propina dissimulada da construtora OAS para favorecer a empresa em contratos com a Petrobras. O ex-presidente nega as acusações e afirma ser inocente.

Veja os próximos passos:

  • A defesa informou que vai aguardar a publicação do acórdão (documento que oficializa a decisão) para estudar que tipo de recurso apresentará ao TRF-4
  • A partir daí, a defesa terá 12 dias para apresentar no próprio TRF-4 um último recurso, que seriam os "embargos dos embargos de declaração", a etapa final de tramitação do processo na 2ª instância
  • Esgotadas as possibilidades de recurso na segunda instância, a defesa de Lula poderá recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF), na tentativa de anular a condenação
  • No STJ, a possibilidade é apresentar um recurso especial questionando se a decisão do TRF-4 violou alguma lei
  • No STF, é possível entrar com um recurso extraordinário questionando se a decisão do TRF-4 feriu algum princípio da Constituição

Prisão

Lula poderia ser preso assim que acabassem os recursos no TRF-4, mas uma liminar (decisão provisória) do STF impede sua prisão até o dia 4 de abril.
Nessa data, os ministros do Supremo deverão concluir o julgamento do pedido de habeas corpus preventivo apresentado pela defesa de Lula.

Candidatura de Lula

A Lei da Ficha Limpa impede que condenados por um tribunal colegiado (como o TRF-4) se candidatem depois de encerrados todos os recursos na 2ª instância.
Na esfera eleitoral, a situação de Lula é definida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deverá analisar um eventual registro de candidatura do ex-presidente – o que deve acontecer no segundo semestre deste ano.
O PT tem até 15 de agosto para protocolar a candidatura. O tribunal tem até o dia 17 de setembro para aceitar ou rejeitar a candidatura de Lula.
A Lei da Ficha Limpa prevê também a possibilidade de alguém continuar disputando um cargo público, caso ainda haja recursos contra a condenação pendentes de decisão.

domingo, 18 de março de 2018

GOVERNO CANCELA MUDANÇA QUE EXIGIRIA CURSO E PROVA PARA RENOVAR CNH

Governo vai revogar resolução que exigiria prova para renovar a CNH (Foto: Divulgação)


Regra que exigia curso e prova para renovação de CNH será revogada, diz ministério
Regra entraria em vigor em junho e previa, por exemplo, novo curso teórico e
 prova para renovar a CNH. Governo diz que objetivo da revogação é não 
alterar a vida de quem precisa renovar 


O Ministério das Cidades informou na noite deste sábado (17) que a norma que mudava as regras para a renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) será revogada.
Segundo a pasta, o objetivo da revogação é não alterar a vida de quem precisa renovar a carteira, além de "reduzir custos e facilitar a vida do brasileiro".
Pela resolução, que entraria em vigor no próximo dia 5 de junho, os motoristas que fossem renovar a CNH precisariam fazer um curso teórico e uma prova, além do exame médico (atualmente obrigatório).
A resolução também previa que o motorista deveria fazer duas balizas para tirar a 1ª CNH e estabelecia que a carteira para moto passaria a exigir exames nas ruas.
"Por determinação do ministro das Cidades, Alexandre Baldy, o diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e presidente do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), Maurício Alves, revoga a resolução 726/2018 que torna obrigatória a realização e aprovação em Curso de Aperfeiçoamento para renovação da Carteira Nacional de Habilitação", diz a nota do ministério.
De acordo com a assessoria da pasta, a revogação será formalizada "no próximo dia útil", entre segunda (19) e terça (20) da próxima semana.
Fonte : G1.com


terça-feira, 13 de março de 2018

ELEIÇÃO PRESIDENCIAL JÁ TEM 11 PRÉ-CANDIDATOS

Incerteza do cenário e possível impedimento de Lula estimulam postulantes.


A cinco meses para o início do registro das candidaturas, a corrida eleitoral deste ano começa a ganhar forma e já reúne pelo menos 11 postulantes ao Palácio do Planalto colocados oficialmente. Na última semana, os nomes do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) foram lançados por seus partidos.
Analistas apontam o cenário de incerteza na disputa presidencial, reflexo da crise política, e o fim do financiamento empresarial como determinantes para a proliferação de candidaturas. A possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), até agora líder nas pesquisas de intenção de voto, ficar impedido de concorrer com base na Lei da Ficha Limpa também é considerada um fator para a pulverização de candidatos.
Algumas dessas candidaturas, porém, são vistas como tentativa de os partidos se cacifarem nas negociações de alianças eleitorais, como a do próprio Maia. No evento em que “estreou” como pré-candidato à Presidência, o deputado foi reverenciado por líderes de siglas do Centrão e até por tucanos, que já têm no governador Geraldo Alckmin (PSDB) seu pré-candidato. Eles ainda tentam atrair o DEM para a chapa presidencial.
A exemplo da candidatura do DEM, considerada de centro, no campo da esquerda a postulação da deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila (PCdoB) também é vista com ceticismo. Historicamente, o partido tem se colocado como linha auxiliar do PT e aliados dizem ter dúvidas se ela a manterá até o fim.
“O quadro está aberto. Partido grande não tem candidato forte, candidato mais forte está em partido fraco. O primeiro colocado nas pesquisas está impedido e o outsider saiu. O governo é bom nos resultados econômicos e pessimamente avaliado. Isso tudo dá muita insegurança para se apostar em coligações agora”, afirmou o cientista político Rubens Figueiredo.
A fragmentação vista no campo de centro, que reúne, além de Maia e Alckmin, o senador Álvaro Dias (Podemos), pode ficar ainda maior caso o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), concorra. Ele negocia filiação ao MDB, mas dirigentes da sigla têm dito que a prioridade, em caso de candidatura própria, é do presidente Michel Temer – que diz não ter a pretensão de disputar a reeleição.
Sistema está desestruturado, diz cientista político
Na esquerda, a indefinição sobre Lula incentiva a fragmentação. Além do petista e de Ciro, o PSOL lançou ontem o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos, como pré-candidato. Embora considerada mais ao centro, a ex-ministra Marina Silva (Rede) – oficializada como pré-candidata em dezembro – disputa o mesmo eleitorado.
No outro extremo, o PSL filiou na quarta-feira, 7, o deputado Jair Bolsonaro (RJ), 2º colocado nas sondagens eleitorais. O empresário João Amoêdo foi lançado pelo Novo em novembro.
Para o cientista político Vitor Marchetti, da Universidade Federal do ABC, uma das medidas do que chama de “desestruturação” de sistema político é o número de candidaturas Para ele, já é possível projetar 18 nomes. “Nosso recorde foi em 1989, quando 22 candidatos se lançaram. A diferença é que em 1989 a descoordenação era reflexo da inauguração do regime, já 2018 é retrato de sua desconstrução.” Vitorioso na primeira eleição após a redemocratização, o senador Fernando Collor (AL) é pré-candidato pelo PTC.
A reportagem adotou o critério de desconsiderar pré-candidaturas não citadas nos principais institutos de pesquisa, como a da ex-apresentadora Valéria Monteiro, lançada pelo PMN.
“Com a crise e a ausência de candidatos com poder de aglutinação, todos os partidos resolveram se aventurar”, afirmou o cientista político Carlos Melo, do Insper. A consequência, disse, pode ser um 2º turno entre nomes com poucos votos. Para Marchetti, “uma candidatura que consiga 20% dos votos no 1º turno terá grande chance de sair vitoriosa”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
 Fonte: O Estadão.com

QUANDO COLOCAR O FILHO NA CRECHE? VEJA DICAS PARA ESCOLHER A ESCOLA

Resultado de imagem para creches

Conhecer a proposta pedagógica da instituição e buscar referências com outros pais ajuda a tomar a decisão com mais segurança


EDUCAÇÃO
É durante a primeira infância que as crianças desenvolvem habilidades cognitivas, motoras e emocionais, todas elas importantes para o crescimento dos pequenos. Por isso, ter contato com outras crianças na creche pode ser uma experiência saudável, mas não deve ser forçada. Não existe uma “idade ideal”, que valha para todas as crianças. Especialistas argumentam que, a partir dos dois anos, as crianças começam verdadeiramente a socializar umas com as outras.

Mas, se você precisa deixar seu filho com alguém antes desse período, não é um problema. Os pais podem observar o nível de maturidade emocional do filho para entender se ele está preparado para essa nova experiência ou não: ele ainda é muito dependente? A creche o ajudaria com isso ou não? Ele tem muitos medos? Ele consegue ficar longe dos pais sem se sentir abandonado? É interessante também conversar com o pediatra, pois ele acompanha o desenvolvimento da criança e pode ajudar a avaliar a decisão.

Como escolher uma boa creche?

 Tão importante quanto a decisão de colocar seu filho em uma creche é escolher qual a melhor instituição de ensino para o início do aprendizado. Por isso, confira algumas dicas que podem ajudá-lo a escolher a escola:

Avalie a proposta pedagógica

 Mesmo que a criança seja pequena, avalie o programa de ensino da escola: que tipos de habilidades ela pretende estimular, quais atividades são prioridade, o que a escola em questão considera fundamental para o desenvolvimento da criança. Esses temas precisam estar claros para você.

Conheça a infraestrutura
Resultado de imagem para creches

 Verifique se a escola tem a infraestrutura necessária para atender a quantidade de crianças matriculadas. Observe as condições de higiene do banheiro, da cozinha, do refeitório e também das áreas comuns. Questione a direção sobre a equipe de cuidadores, número de funcionários, horários e rotinas de atividades. Não fique com nenhuma dúvida.

Converse com outros pais

 Busque referências sobre a instituição. Você pode encontrar pais que já tenham outros filhos mais velhos matriculados na creche, ou então buscar ajuda em grupos nas redes sociais. Uma pesquisa básica na internet pode ajudá-lo a encontrar alusões à instituição de ensino, mas não se esqueça de conversar com outras famílias. Se não se sentir seguro, peça indicações de outras creches a pais em que você confia.

Crie um diálogo com a escola

 Crie uma via de comunicação direta com a escola. Pode ser por meio da agenda da criança, caderno ou até mesmo por e-mail. É importante que você consiga saber o que está acontecendo no dia a dia do seu filho, e como ele responde a eventuais situações desafiadoras. Preste atenção também aos sentimentos da criança. Ela pode indicar, por meio das emoções, se está feliz ou não na creche escolhida.

Estabeleça um limite para o seu orçamento

 Você pode ter encontrado a creche dos sonhos para seu filho, mas a mensalidade precisa estar dentro do seu orçamento. Do contrário, você provavelmente se sentirá sobrecarregado. Como educação costuma ser uma prioridade dos pais, existem algumas alternativas. Programas que oferecem bolsas de estudo são benéficos para quem não quer abrir mão de uma boa instituição de ensino. No Educa Mais Brasil, os descontos de até 70% contemplam também alunos da educação infantil, o que inclui as creches. Você pode consultar as escolas parceiras no site www.educamaisbrasil.com.br.

Fonte: Educa Mais.com

COMO VAMOS ENTENDER A CLASSE C E D NA ELEIÇÃO

THICK DATA AJUDARÁ A ENTENDER ELEITORES DE CLASSES C E D

A elite brasileira desconhece e está alheia aos valores, gostos e visões de mundo das camadas mais pobres da população. Esse desconhecimento é amplo, está cristalizado há tempos e pouco se fez nos últimos anos para tentar entender e dar voz aos mais diversos anseios da população das classes C e D.
Para entender melhor essa camada da população, a distância será diminuída aliando ciência, tecnologia e uma velha técnica antropológica, que é feita desde a viagem de Malinovsky às Ilhas Trobriand, em 1914. É assim que vamos entender realmente o que vai acontecer na eleição de outubro.
Esse trabalho começou a ser feito quando tive a experiência de viver por 15 meses em uma vila trabalhadora “na periferia da periferia da periferia” de Salvador. A prática me revelou o que a literatura antropológica já fala há algumas décadas: 1) que o brasileiro das camadas populares tem valores, gostos e visões de mundo muito próprios e relacionados à sua história e ao contexto em que ele vive; e 2) que as elites educadas do país ignoram isso.
Clique AQUI e continue lendo.

quinta-feira, 8 de março de 2018

SEM ESTUDO, METADE DOS JOVENS CORRE RISCO DE NÃO SE INSERIR NO MERCADO DE TRABALHO


Resultado de imagem para alunos sem escolaridade e sem interesse
Relatório do Banco Mundial mostra que 52% dos brasileiros entre 19 e 25 anos perdem interesse pelos estudos

EDUCAÇÃO


BRASÍLIA - Estudo do Banco Mundial (Bird) divulgado ontem quarta-feira (07), mostra um cenário de desalento para a juventude. Com um sistema educacional falho e pouco conectado com as necessidades do setor privado, 52% dos jovens entre 15 e 29 anos perde interesse pelos estudos e corre risco de não conseguir se inserir no mercado de trabalho. São pessoas que se encontram em três situações: desistiram da escola, conciliam os estudos com trabalho informal ou estão defasados na relação idade/série.

Segundo o Banco, em 2015, somente 38% dos adolescentes estavam na série correta. Aos 18 anos, metade já está fora da escola. A fragilidade da educação dos jovens compromete a produtividade do país, alerta o Bird.

SÓ 43% TÊM ENSINO MÉDIO. NOS PAÍSES RICOS, SÃO 65%

Clique AQUI e leia a matéria na íntegra

quinta-feira, 1 de março de 2018

MINISTÉRIO PÚBLICO ARQUIVA INQUÉRITO CONTRA VEREADORES EM PARAIBANO...


Resultado de imagem para MP MA
O Ministério Público Estadual do Maranhão, (MP/MA) em Paraibano, representado pelo Promotor de Justiça Senhor Gustavo Pereira Silva, arquivou o Inquérito Civil Público 11/2017 - contra os vereadores: Professor Ricardo Campos (PEN), Valdênia Sá Dutra (PTN) e Enfermeira Lucimar Sá da Silva (SD).

O referido inquérito tratava de uma denúncia sobre acúmulo de cargos públicos dos referidos vereadores e servidores (Veja aqui). 
Os representantes do legislativo municipal, recorreram com defesa administrativa e, depois de uma nova análise do MP, o mesmo decidiu arquivar o inquérito.
Veja abaixo cópias da documentação de promoção de arquivamento.