segunda-feira, 18 de junho de 2018

TORCEDORES FAZEM BRASIL PASSAR VERGONHA NA RÚSSIA

Cena constrangedora em plena Copa do Mundo


Um vídeo no qual torcedores brasileiros aparecem ao lado de uma jovem na Copa do Mundo da Rússia viralizou nas redes sociais e no WhatsApp neste fim de semana.
Nas imagens, o grupo de ao menos cinco homens, alguns com a camisa da seleção brasileira, tenta convencer a moça a gritar uma frase impublicável, uma referência constrangedora a ela própria. Trata-se da velha piada de mau gosto de fazer estrangeiros repetirem termos chulos em português. Claramente sem entender o significado do que é dito, ela tenta acompanhar os torcedores.
Um dos torcedores foi identificado: é um nome com experiência em política.
Nas redes sociais, diversas postagens acusam o grupo de assédio.
“A desculpa, como sempre, “é que é só brincadeira”. Machismo/assédio não é brincadeira”, publicou o perfil Quebrando o Tabu.
“Cadê os amigos ‘mas eu não sou machista’ falando desses homenzinhos de merda sacaneando a mina russa? Que nojo. É contra esse tipo de coisa que a gente espera que vocês se coloquem, sabe? É o mínimo. Dar risadinha é compactuar”, postou a escritora Clara Averbuck.

terça-feira, 12 de junho de 2018

ENTENDA PORQUE TANTA GENTE TORCE CONTRA A SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

No país do futebol, um batalhão promete secar o Brasil na Copa pelos mais diversos motivos, que nada têm a ver com antipatriotismo



É normal, sobretudo em época de Copa do Mundo, ouvir de alguns amigos e familiares que eles não estão nem aí para a seleção. Que preferem torcer pelo time do coração, que estão mais preocupados com eleição. Também não é novidade o discurso de inferiorização e pessimismo em torno dos 23 selecionados, que, de certa maneira, reflete a descrença nos rumos do país, traduzido por Nelson Rodrigues como “o complexo de vira-lata”. Isso sem contar os brasileiros que, por diferentes razões, escolhem apoiar outra seleção. Mas, às vésperas do Mundial na Rússia, é impossível ignorar que o índice de rejeição e impopularidade da seleção brasileira atingiu patamares raramente observados. Muito além das reações de quem detesta futebol, esnoba o talento de Neymar ou só empunha a bandeira em nome do seu clube, há gente de sobra disposta a secar, amaldiçoar e torcer contra o time que um dia foi o símbolo de orgulho da nação.

Para quem gosta de bola e de Copa, chega a ser irritante escutar sermões do tipo “o país nessa situação e o povo preocupado com futebol”, “só querem saber de pão e circo”, “enquanto você grita gol, estão roubando nosso dinheiro em Brasília”, “que o Brasil caia na primeira fase”, “que venha outro 7 a 1” e por aí vai… Porém, o descrédito popular que tem colocado em xeque o poder da seleção de mobilizar massas e unificar a identidade nacional a cada quatro anos não é fruto exclusivamente do mau humor dos que não enxergam a poesia que emana dos gramados. As causas transcendem o campo de jogo.
A última pesquisa de torcidas do Datafolha, divulgada em abril, mostra que o número de pessoas que não se interessam por futebol no país aumentou de 31% para 41% em relação a 2010, quando a seleção ainda era comandada por Dunga. Praticamente o mesmo percentual de brasileiros que desprezam a Copa do Mundo. Chama a atenção que, no “país do futebol”, de acordo com pesquisa da MindMiners, 54% dos torcedores consultados dizem acreditar que uma eventual conquista do Mundial pela seleção não vai melhorar a autoestima do brasileiro. E o mais sintomático: 58% entendem que os episódios que levaram ao indiciamento dos três últimos presidentes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) afeta, de alguma forma, a vontade de torcer pela seleção.

Tempos atrás, as suspeitas de ilícitos envolvendo cartolas eram tratadas como folclore no Brasil. Até que uma investigação do FBI desatou o Fifagate e implicou figuras como Ricardo Teixeira, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero, menos de um ano depois do 7 a 1. Em compasso com os escândalos de corrupção na política, a entidade que controla nosso futebol sucumbiu na mão de dirigentes que, durante a Copa de 2014, exigiam patriotismo dos jornalistas e torcedores que criticavam as atuações do time de Felipão. E segue sem ter a exata dimensão de como a imagem associada a mandachuvas corruptos contribuiu para abalar a confiança dos brasileiros na seleção.
Seleção que, inevitavelmente, acabou castigada por seguidas administrações primitivas e nebulosas na CBF. Há décadas o esporte nacional é gerido à base da troca de favores, politicagem barata e interesses comerciais sustentados pela lógica da propina. Por mais vitoriosa que seja sua história em campo, não há instituição que passe incólume a tantas mazelas fora das quatro linhas. O que ajuda a explicar a perda de apelo não só da seleção, mas do futebol brasileiro como um todo.
Desconsiderando os comerciais de TV que para aumentar a audiência, apelam ao ufanismo,  (que comove em sua maioria, os menos esclarecidos) é cada vez mais raro presenciar demonstrações de amor à seleção. O que também dá uma medida do ódio. Por trás dele, irrompem jatos de frustração e raiva represadas pelo legado às avessas que a realização da Copa deixou para o país. Dos estádios superfaturados ao vexame contra a Alemanha, tanto o cético em relação a futebol quanto o torcedor mais apaixonado amargaram alguma dose de ressentimento. Havia caminho para uma reconciliação ao menos afetiva após Tite assumir a seleção e resgatá-la do fundo do poço. Mas, ao longo dos últimos quatro anos, dirigentes da CBF estavam mais preocupados em se livrar dos escândalos de corrupção do que em reaproximar o “brasileiro comum” do futebol.
A elitização tomou conta dos estádios, torcedores mais pobres foram afastados das arquibancadas, e a seleção virou produto cobiçado por empresas e patrocinadores que não veem problema em atrelar sua marca a uma entidade devassada pelas denúncias de corrupção. No meio desse processo de distanciamento, a camisa amarela da seleção ainda sofreu com a apropriação por grupos de manifestantes que a utilizaram como instrumento político. Neste cenário de Fla x Flu ideológico, uma parte da população agora sente ojeriza pelo uniforme com o escudo da CBF. Rejeição que, para muitos, se estende à seleção. Pela primeira vez no período democrático, o Brasil acompanhará uma Copa diante de tamanha polarização das correntes políticas, já que, em 2013, nos protestos que antecederam a Copa das Confederações, e em 2014, nas manifestações contra o megaevento, a pauta de reivindicações era bem mais difusa e menos identificada com determinada ala de militância.
Entre o apreço e o desdém por símbolos nacionais, a crise de credibilidade da seleção brasileira também respinga nos jogadores. A maioria deles joga no exterior, tem poucos vínculos com torcedores locais – algo acentuado pela falta de empenho da CBF em promover jogos com preços acessíveis no país – e falha ao não se esforçar para romper o estigma de cidadãos alienados, que, sob o status de personalidades globais, quase sempre resumem engajamento social a ações de caridade. Naturalmente, uma hora ou outra, torcedores como os que engrossaram o sarcástico protesto “um professor vale mais que o Neymar” se revoltam ao ver os ídolos reduzidos à figura de meros popstars.

Há quem interprete o desleixo pela seleção como um sinal de maturidade do brasileiro, que, supostamente, não se deixa mais enganar por “pão e circo” – como se fosse impossível conciliar a paixão pelo futebol com senso crítico. Todavia, é bem provável que, com o início dos jogos na Rússia, ainda mais se o Brasil mantiver o bom nível de atuação, o clima de Copa se espalhe tal qual em 2014, quando o grito de “não vai ter Copa” deu lugar a euforia nas ruas. Mas não resta dúvida de que os acontecimentos desde o Mundial passado, principalmente os escândalos de corrupção na CBF, arranharam a imagem do nosso futebol e, por tabela, a da seleção. Aquele que torce contra a pátria de chuteiras não é menos brasileiro que aquele que comemora fervorosamente cada gol anotado pelos comandados de Tite. Pois nada tem a ver com antipatriotismo. O “torcer contra” é, acima de tudo, uma resposta dos que não se sentem representados pelas instituições que se apropriaram da seleção. Um direito tão legítimo quanto o de quem prefere torcer a favor, apesar das contraindicações.
Fonte: El País.com

domingo, 27 de maio de 2018

‘SE GANHAR, TEREI PELO MENOS 5 GENERAIS EM MINISTÉRIOS’, AFIRMA BOLSONARO

Bolsonaro, líder das pesquisa para presidente, sem a presença de Lula.
Educação, Defesa e Ciência e Tecnologia
Transportes também poderia ter militar
Senador Mágno Malta, poderá ser seu vice na chapa.
O pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), afirma que, caso seja eleito, nomeará ao menos 5 militares para chefiar ministérios de seu governo. Bolsonaro é capitão da reserva do Exército.
O deputado já havia manifestado a intenção de indicar militares para a Defesa, Educação e Ciência e Tecnologia. Segundo ele, o mesmo poderá ser feito com Transportes.
De 15 ministros, vou ter 5 generais, com toda a certeza. Outro pode ser Transportes… Temos bons generais de engenharia, com conhecimento de infraestrutura. Muito dificilmente alguém chegará para 1 ministro assim e falará ‘vamos conversar'”, disse ao site Poder360.com
O pré-candidato não diz quais outros ministérios poderiam ser chefiados por integrantes das Forças Armadas.
O ministério de Transportes é comandado pelo PR. A legenda negocia a indicação do senador Magno Malta (ES) para ser vice de Bolsonaro. Ao mesmo tempo, o PR discute alianças com outros partidos e até mesmo o lançamento de 1 candidato próprio, como o empresário Josué Gomes.
Apesar do desejo em atrair o PR, Bolsonaro não demonstra preocupação com a sigla. Questionado se a nomeação de 1 militar para Transportes desagradaria o partido, respondeu: “Paciência. Quero mostrar que meus homens procuram atender a todos os congressistas. No período militar, eles eram atendidos por ministro com muitíssimo mais consideração do que hoje. O ministro era autoridade”.

EDUCAÇÃO, DEFESA E CIÊNCIA E TECNOLOGIA


Em novembro, Bolsonaro disse que, se assumir o Planalto, indicará para a Educação alguém com “perfil de general“. Não revela quem poderia ser essa pessoa. Também fala em fundir o ministério com o da Cultura.
"Ótima ideia, só assim, poderá moralizar, valorizar a educação em todo o Pais" NP&R,com
Já a Defesa seria comandada por 1 nome indicado pelo general Augusto Heleno. Ciência e Tecnologia ficaria com o ex-astronauta Marcos Pontes. Segundo Bolsonaro, Pontes já manifestou o desejo em participar de 1 eventual governo.
Líder nas pesquisas nos cenários sem Lula (PT), Bolsonaro afirma com frequência o desejo de reduzir o número de ministérios de 29 para 15. Entre os extintos estaria o de Cidades. Também fundiria Meio Ambiente a Agricultura e Fazenda ao Planejamento.
Poder360 tem a maior compilação da internet com pesquisas sobre intenção de voto em todas as eleições desde o ano 2000 (clique aqui para ler a lista completa).

‘COM REPRESSÃO NÃO TEM NEGOCIAÇÃO’, PROTESTAM MOTORISTAS EM BRASÍLIA

Centenas de manifestantes protestaram neste domingo (27.mai.2018) em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília. O grupo apoia a greve dos caminhoneiros, que já dura 7 dias, e defende a queda do preço dos combustíveis. Argumentam que o preço da gasolina também deve ser revisto, não apenas o do diesel.
Durante todo o dia o presidente Michel Temer e a cúpula do governo estiveram reunidos no Planalto em articulações para tentar sanar normalizar o abastecimento do país.
Parte dos manifestantes passou de carro em frente à sede da Presidência entoando “com repressão não tem negociação”. Temer autorizou as Forças Armadas a ajudar na desmobilização dos protestos que bloqueiam rodovias em vários Estados.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

DEPUTADO WELLINGTON, VAI BUSCAR MEIOS JUDICIAIS PARA FLÁVIO DINO, REDUZIR IMPOSTO DO GOVERNO SOBRE O COMBUSTÍVEL

Deputado Estadual Wellington
O deputado Wellington afirmou que vai procurar o meios legais e judiciais  pra ajudar a população que está sofrendo com  o alto preço do combustível no estado do Maranhão.
“Precisamos encontrar maneiras para que não joguemos o prejuízo no bolso do cidadão maranhense onde principalmente os mais pobres, moto-taxistas, taxistas padecem. Se na capital o preço já está alto, imagine no interior! Assim como houve redução do ICMS de 17% para 2% no fornecimento do óleo diesel para as empresas do sistema de transporte urbano da região metropolitana de São Luís e Imperatriz, haja redução da alíquota do ICMS que incide sobre o valor do combustível. O povo maranhense não merece pagar por mais essa conta!”, destacou o deputado Wellington ao reafirmar seu compromisso com a população e a luta para reduzir o preço do combustível.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

INSS: APOSENTADORIA POR IDADE E SALÁRIO - MATERNIDADE SÓ PODERÃO SER PEDIDOS POR TELEFONE OU INTERNET A PARTIR DO DIA 21

Aposentadoria só poderá ser pedida por telefone ou internet a partir do dia 21

Salário-maternidade também não terá mais atendimento presencial; análise de pedidos será feita automaticamente pelo INSS.


A partir da próxima segunda-feira (21), o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) deixará de agendar atendimento presencial para pedidos de aposentadoria por idade e salário-maternidade. Os dois benefícios só poderão ser solicitados por telefone ou internet.
A análise para concessão da aposentadoria por idade e do salário-maternidade já é feita automaticamente, com base nos dados disponíveis nos sistemas do INSS e do governo, desde setembro de 2017. Mas até então também era possível fazer o pedido pelo modelo de agendamento, que agora ficará indisponível.
Os benefícios poderão ser solicitados no site do instituto ou pelo telefone 135. O segurado receberá um número de protocolo e só será chamado a uma agência do INSS em casos excepcionais, como na falta de documentos.
De acordo com o INSS, a mudança deve reduzir o tempo de análise dos pedidos. Segundo o órgão, outros benefícios também passarão a ser solicitados dessa forma "em breve".

Serviços agendados

A partir do dia 24, serviços antes atendidos por ordem de chegada nas agências poderão ser agendados pela internet e telefone.
São eles:
  • Alterar meio de pagamento
  • Atualizar dados cadastrais do beneficiário
  • Atualizar dados do Imposto de Renda – Atualização de dependentes
  • Atualizar dados do Imposto de Renda – Declaração de Saída Definitiva do País
  • Atualizar dados do Imposto de Renda – Retificação de DIRF
  • Cadastrar Declaração de Cárcere
  • Cadastrar ou atualizar dependentes para Salário-família
  • Cadastrar ou Renovar Procuração
  • Cadastrar ou Renovar Representante legal
  • Desbloqueio do Benefício para Empréstimo
  • Desistir de Aposentadoria
  • Emitir Certidão de Inexistência de Dependentes Habilitados à
  • Pensão por Morte
  • Emitir Certidão para saque de PIS/PASEP/FGTS
  • Reativar Benefício
  • Reativar Benefício Assistencial à Pessoa com Deficiência suspenso por inclusão no mercado de trabalho
  • Renunciar cota de Pensão por Morte ou Auxílio-Reclusão
  • Solicitar Pagamento de Benefício não Recebido
  • Solicitar Valor não Recebido até a Data do Óbito do Beneficiário
  • Suspender Benefício Assistencial à Pessoa com Deficiência para inclusão no mercado de trabalho
  • Transferir Benefício para outra Agência.
  • Fonte: g1.com e INSS.gov

segunda-feira, 14 de maio de 2018

COMO RECUPERAR MENSAGENS NO WHATSAPP QUE FORAM 'APAGADAS PARA TODOS'


Resultado de imagem para como recuperar mensagem whatsapp
Você já recebeu uma mensagem no WhatsApp, mas na hora de abrir o aplicativo a mensagem havia sido apagada? Saiba que, ao menos no Android, existe uma forma de recuperar este conteúdo em casos como esse.
Para isso, você precisa de um aplicativo específico. Uma opção se chama WA Delete for Everyone. Entre no Google Play, procure por ele, ou acesse link que acompanha o vídeo (link no fim da página), e realize o download. Quando terminar, abra o app.
Em sua primeira execução, o aplicativo apresentará um pequeno termo de uso. Dê um toque em “Concorde e continue” e prossiga com a explicação de como ele funciona. Então ele pedirá a permissão necessária para ele funcionar ao tocar em “Ativar permissão”. Você verá todos os apps com acesso às suas notificações. Ative a chavinha relacionada ao app e pressione “Permitir”.
Agora que a configuração já está feita, volte para a tela do aplicativo e dê um toque em “Continuar”. Com tudo pronto, o WA Delete for Everyone irá exibir uma notificação sempre que alguém apagar uma mensagem. Basta abri-lo para conferir o conteúdo das mensagens apagadas.
O aplicativo é útil, mas tem poder limitado. Ele só consegue acesso às mensagens que ficarem presas em suas notificações. Não é possível recuperar as mensagens que forem apagadas enquanto a janela de conversa está aberta, por exemplo.
Fonte: Olhar Digital online


quarta-feira, 9 de maio de 2018

ELEIÇÃO NÃO MUDARÁ O BRASIL, DIZ JOAQUIM BARBOSA APÓS DESISTIR DA DISPUTA: "SOMOS REFÉNS DO SISTEMA"


"O sistema não tem válvula de escape. O cidadão brasileiro vai ser constantemente refém desse sistema. Você não tem como mudá-lo. Esse sistema contém mecanismos de bloqueio que servem para cercear as escolhas do cidadão", disse o ex-ministro ao jornal Valor Econômico

O ex-ministro do STF Joaquim Barbosa afirmou que não acredita que a eleição que ocorrerá em outubro mude o país. Em entrevista ao Valor Econômico, Barbosa diz que o Brasil tem problemas estruturais gravíssimos. "É um país que tem um histórico de dificuldades imensas para assimilar relações econômicas saudáveis", completa. 
O ex-ministro anunciou nesta terça-feira que não será candidato à Presidência pelo PSB, partido em que se filiou há um mês. A mensagem publicada em sua conta no Twitter repercutiu entre os presidenciáveis que participavam de uma reunião em Niterói, no Rio de Janeiro. 
Ele também explica ao Valor que sua decisão já era esperada pelos mais próximos. "A previsão de que eu já estava mergulhado na campanha vinha de gente que não falava comigo. Minha disposição para disputar era pequena. Não tenho, nunca tive essa ambição por poder. Não morro de amores pelo poder. Não vejo glamour na vida de quem tem poder. Nem apego aos palácios do poder. Tudo aquilo que leva os políticos a conquistar o poder, nunca me atraiu", comenta.
Aí sim, é uma pessoa digna de fato, mas infelizmente não constará entre os candidatos à presidente do Brasil em 2018. Uma pena! 
Fonte: Jornal do Brasil