segunda-feira, 17 de julho de 2017

“PARAIBANO NÃO PODE VIRAR CABIDE DE EMPREGOS”, DISPARA DEP. WELLINGTON DO CURSO



 
Deputado Wellington e Prefeitura de Paraibano
Após receber inúmeras denúncias de aprovados em concurso público 2014/2015 (ANULADO PELA JUSTIÇA NA PRIMEIRA INSTÂNCIA), que aconteceu em Paraibano e no recente seletivo de 2017, o deputado estadual Wellington do Curso (PP) se posicionou quanto à confusão presente na atual gestão à frente da Prefeitura, ao ignorar o concurso que foi validado pela Justiça (validado na segunda instância) e insistir fazendo contratações temporárias, além de realizar um seletivo que também foi denunciado por irregularidades e questionado na justiça.

Sobre a situação, Wellington deixou claro que a Prefeitura de Paraibano, há 500 km de São Luís, não pode ser vista como um cabide de emprego e cobrou um posicionamento por parte da Prefeitura.

“Recebemos inúmeras denúncias e iremos nos reunir na próxima quinta-feira com os aprovados no concurso. É inadmissível que a máquina pública, que a Prefeitura vire cabide de empregos para parentes ou amigos. O concurso foi validado pelo Judiciário. Logo, o correto seria a Prefeitura nomear e não ficar realizando contratações duvidosas. Uma das funções de um deputado estadual é fiscalizar e é o que temos feito. Vamos cobrar um posicionamento do prefeito e vamos formalizar denuncia no Ministério Publico para averiguar as irregularidades “, disse o professor e deputado Wellington.

Sobre a situação, o advogado Ferdinan Guimarães esclareceu a recente decisão da Câmara Cível que garante o direito dos aprovados.

“Recentemente, saiu uma a decisão judicial em que fica claro que o concurso foi validado. Juridicamente, os aprovados possuem a expectativa de direito e uma administração séria e responsável, tão somente, daria continuidade ao trâmite de nomeação. Essas contratações temporárias e irregulares ferem a moralidade e a ética, além de antijurídicas”, esclareceu o advogado Ferdinan, que ressaltou que a prefeitura fez um seletivo que também apresentou irregularidades e a situação foi judicializada.

RESUMO DA ÓPERA: Tanto o concurso público como o seletivo foram fraudados. 

Fonte: Site do Wallace Braga

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE COM EDUCAÇÃO.